sábado, 30 de abril de 2016

O Bruxo de Fafe é sportinguista!


Ele diz que o Benfica não vai ser campeão, este ano. E isso só pode querer dizer que vai ser o JJ a festejar o título. Raios me partam se eu acredito em bruxas (ou bruxos)!
Logo, à hora do jantar é que vamos ver se o nosso amigo é mesmo um autodidata, ou se é apenas um fala-barato!

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Em casa é que eu não fico!

Para ir ver o Benfica, daqui a pouco, nem que seja de gatas! Em casa eu não fico!
Levantei-me, esta manhã, com tantas dores como quando me deitei, aliás mal preguei olho. E logo encarreguei a minha enfermeira de ir à procura de umas muletas, pois não posso perder a minha mobilidade. Bastou ver aquilo que me custou arrastar-me até à casa de banho que dista da minha cama meia dúzia de metros, para imaginar as dificuldades que teria quando chegasse a hora de ir ver o Benfica. Além do resto, claro.
Ao longo do dia, as dores abrandaram e são já suportáveis, embora mal consiga pôr o pé esquerdo no chão. É o Ronaldo no Real e eu no Benfica, não podemos ajudar a nossa equipa a ganhar. Mas temos que confiar nos outros, confiar que eles saberão o que fazer para colmatar a nossa falta. Uma equipa é uma equipa e vale pelo seu todo. Brasileiros, argentinos, gregos, mexicanos e alguns portugueses à mistura, estou convencido que o Rui Vitória não se vai deixar enganar pelos seus antigos pupilos.
Cada um no seu lugar e o respeitinho é muito bonito. A bola é redonda e rola para todos os lados, mas toda a gente sabe que o Benfica e o Guimarães são de campeonatos diferentes. Só falta prová-lo em campo!

quinta-feira, 28 de abril de 2016

No chance!

Andei todo o dia a pensar em vir aqui escrever qualquer coisa para mostrar que estou vivo, mas não consegui arranjar paciência/coragem para o fazer. E por uma razão bastante simples, tenho tantas dores no esqueleto que não consigo concentrar-me e reunir duas ideias seguidas.
Dizia-se que era o frio do inverno que fazia doer os ossos. Pois, agora que o frio se está a ir embora é que as minhas dores começam a ser insuportáveis. Não há comprimidos nem cremes que me valham. Toda a gente sugere qualquer coisa diferente, mas comigo nada resulta, é aguentar e cara alegre. Só que hoje não há modo de ficar de cara alegre, apetece-me gritar até ficar rouco.
Pensei em ir para a cama, mas como tenho a certeza que não vou conseguir adormecer fiquei-me apenas pelo pensamento. Vou dar uma espreitadela na minha caixa de correio e depois lá terei que ir, não há outro remédio. E ver se acordo bem disposto (melhor que hoje) para ver o Benfica subir mais um degrau em direcção ao título.
Cuidem-se!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Eu, monárquico me confesso!

Nas minhas pesquisas genealógicas descobri que um dos ramos da minha família (o materno) descende da família dos Alvares que por volta do ano de 1700 eram donos e senhores do lugar de Real da freguesia de Pedra Furada.


O Sr. Bento Alvares, os seus irmãos, filhos e sobrinhos dominavam por completo aquele lugar. Até o pároco da freguesia era também ele da família, um dos filhos do mesmo Bento.
Eu bem sabia que tinha que haver uma razão para eu me sentir mais inclinado para a Monarquia que para a República que anda há 106 anos a meter água. E não quis ir para a caminha sem vos fazer conhecedores desta verdade "importantíssima"!

terça-feira, 26 de abril de 2016

Depois dos 70 ...!

Requisitei esta enfermeira, mas não apareceu!

... qualquer merdazinha de nada atira um gajo de cangalhas!
Passei as últimas 24 horas no choco por causa duma constipação que veio ter comigo, de mansinho, na última quinta-feira e foi piorando a cada hora que passava. Funga que funga, tosse que tosse, ontem decidi manter-me entre os lençóis, para ver se a abafava, e só de lá saí há bocadinho para vir ler as notícias.
Hoje é o primeiro dia do 43º ano da nossa vida em democracia e, para além de podermos abrir a boca e dizermos aquilo que nos apetece, tudo o resto está na mesma para não dizer pior. As lembranças do passado não são grande coisa, mas as expectativas do futuro também não se afiguram muito brilhantes.
Vendo patrões que se recusam a pagar mais que o ordenado mínimo nacional a jovens licenciados, sou obrigado a reconhecer que essa escravidão é a mesma que quando eu nasci, quando um trabalhador braçal recebia 15$00 por um dia de trabalho, de sol a sol. Vi o meu pai a trabalhar debaixo de chuva, podando videiras, dias a fio para não faltar com o dinheiro em casa. E só trabalhava quem queria, ninguém era obrigado.
A Guerra Colonial e a emigração abriram-nos outros horizontes e a minha geração acabou por ter uma vida razoável e poder criar os filhos com algum desafogo, sem lhes faltar nada, poderia mesmo dizer em alguns casos. E, por incrível que pareça, isso está a virar-se contra eles, pois não estão preparados para as dificuldades. Andar para trás, de cavalo para burro, custa muito.
Onde é de notar a maior diferença é no nascimento dos filhos. Os nossos pais tinham-nos às dúzias, nós tivemos-los aos pares e eles agora optam por nem se casarem. Filhos? Talvez, alguns, se calhar. E a Previdência Social cada vez mais comprometida. Não tardará muito serão mais os beneficiários que os contribuintes e então ... será o caos!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

42º Aniversário da memória salazarenta!


Para não deixar passar em branco este dia que foi importante para muita gente, aqui fica o meu contributo para memória futura. Lembro-me especialmente dos milhares de soldados portugueses que embarcavam rumo a África sem saberem se de lá voltariam. Esses devem recordar este dia de forma especial, pois alguns não estariam vivos se a Revolução dos Cravos não tivesse acontecido.
E lembro-me também daqueles que já lá estavam e passaram um mau bocado por causa dos «políticos de merda» que temos neste país e não souberam tomar as medidas necessárias para que a sua missão terminasse de forma honrosa e sem pôr em risco a sua integridade física. E também não me posso esquecer que esses políticos existem ainda, hoje, e continuam a tomar decisões em nome do Povo que só prejudicam esse mesmo Povo.
Ia acrescentar que nesse capítulo nada mudou, mas será melhor terminar dizendo que mudou e muito ... para pior!

domingo, 24 de abril de 2016

Está tudo bem!

Este é um dos ditados que não oferece discussão. Diz ele que «tudo está bem quando acaba bem». E foi assim que acabou o jogo do Benfica, bem. Com um único golo que custou muito a conseguir, mas por isso mesmo mais gostoso ainda. O Glorioso vai embalado em direcção ao título e, a menos que algo de muito grave aconteça, está a um pequeno passo de lhe deitar a mão.


Estou ansiosíssimo pelos jogos do próximo fim de semana. Embora não possa com o sucesso dos andrades, vou rezar para que eles ganhem ao Sporting e o empurrem lá para trás, para o lugar que o seu treinador merece. Não tanto pela equipa, pois gosto dela por várias razões, a começar pela juventude e pela quantidade de portugueses que incorpora, mas sim pelo JJ que abriu aquela bocarra para dizer merdas que não devia e agora quero que pague isso com língua de palmo. Só assim me sentirei vingado.
E depois que vá para o Porto e comece tudo de novo. Pode também afirmar, depois, que o Sporting e o Benfica só sabem o que ele lhes ensinou. E se perder com o Benfica e com o Sporting vai ser um gozo total. Para os benfiquistas que, como eu, se sentiram atraiçoados com a transferência do Jesus seria um duplo prazer. Em primeiro lugar qualquer vitória sabe sempre bem e depois se pudermos gozar com o treinador «vira-casaca» melhor ainda.
Quanto ao próximo jogo do Benfica, tenho que acreditar que vai ser uma vitória fácil, à campeão!

Foi o que me calhou na rifa!

Ela já me disse que até às 20.30 horas não se vira para mim!
Nada a fazer, o remédio é esperar!

sábado, 23 de abril de 2016

Remédio Santo!


Acho que é disto que eu preciso para aumentar o ritmo cardíaco! Se ninguém tem uma ideia melhor, é este o remédio que vou tomar e repetir tantas vezes quantas forem precisas para ficar curado!

sexta-feira, 22 de abril de 2016

34 BPM!

Um recém-nascido tem entre 120 e 140 bpm, pois seus sistemas de regulação do sistema circulatório ainda não estão bem desenvolvidos. A freqüência cardíaca maior ajuda a fornecer mais oxigênio ao coração dos bebês. Conforme eles crescem, os batimentos vão diminuindo. Décadas mais tarde, na velhice, os batimentos provavelmente serão mais espaçados ainda, numa faixa entre 50 e 80 bpm.


Há dias assim!
Hoje, acordei com 34 batimentos cardíacos por minuto.
E isso é mau?
É.
Mas pior seria nem sequer ter acordado.
Já há alguns dias que me vinha sentindo sem forças, ficava com a língua de fora para caminhar, em câmara lenta, aí uns 500 metros. Estou cada vez mais convencido que é desta que não me livro do pacemaker. Que se há-de fazer? A idade não perdoa!
Vou desejar-vos um bom fim de semana, sem acrescentar mais nada para não ficarem a pensar que já estou com os pés para a cova e deixarem de aproveitar o tempo que é vosso. Não se esqueçam que cada minuto que passa não volta mais, é automaticamente descontado do vosso crédito total. Divirtam-se!

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Haja paciência!

Li, esta semana, que há ainda quem continue a lutar pela paragem das obras no barragem de Foz Tua. A firma responsável pela marca de vinhos Esporão, ao que parece, tem vinhas plantadas na zona que vai ficar submersa e decidiu juntar-se àqueles que, com razão ou sem ela, lutam pela paragem das obras. A Unesco já aprovou a construção, impondo algumas condições, e não vejo como iriam voltar atrás depois de tanto dinheiro gasto na obra.

18 de Fevereiro de 2011 - A primeira pedra

O Zé Pinóquio que já é odiado por não sei quantos milhões de portugueses acaba por ser o culpado disto tudo. Quem o mandou meter-se no negócio das electricidades? A nível eólico deixou-nos uma conta para pagar que vai fazer crescer cabelos brancos aos meus bisnetos. A nível hídrico é o que se tem visto, barragens suspensas, barragens canceladas e sei lá mais o quê. Anda o actual Primeiro Ministro, agora, a desfazer o que o outro andou a cozinhar em 2010 e 2011.
E tanto mais estranho é isto tudo quanto mais gente aparece a dizer que a barragem não faz falta nenhuma. Já temos energia suficiente e quando acontece haver produção excessiva somos forçados a injectar a parte sobrante na rede espanhola e sem receber nada em troca. Um negócio da China para eles. E enquanto isso pagamos uma fortuna para manter os aerogeradores a trabalhar, por conta das parcerias existentes com os donos dos parques eólicos. É assim, faz parte do contrato.


Também não entendo muito bem aqueles que defendem a paragem das obras por causa de uns terrenos agrícolas que vão ficar debaixo de água. O que mais há por aqueles lados são terrenos abandonados que ninguém quer trabalhar, seja por falta de dinheiro, de mão de obra, ou tudo junto. É uma verdade que a população jovem não quer ficar ali, onde não há qualquer perspectiva de futuro e os velhos já não têm forças para trabalhar.
E ainda outra coisa, como está a acontecer no Alqueva, a grande albufeira que vai ser criada pelo vale do Tua acima, dará origem a um microclima que poderá vir a potenciar outro tipo de agricultura mais moderna e actual. Além de que o turismo também sairá a ganhar. Em vez de um comboio que era muito bonito, mas economicamente insustentável, podem iniciar um transporte fluvial até meio caminho de Mirandela e, se houver interesse nisso, reactivar o velho comboio daí para cima.


O que vai mudar com certeza é a fauna piscícola. Em vez das saborosas trutas que não se dão muito bem em águas profundas e paradas, teremos achigãs que também são muito apreciados e fazem as alegrias dos pescadores desportivos. Estou a pensar em investir nuns barquinhos pequenos (para duas pessoas) e numas canas de pesca para alugar a quem estiver interessado, logo que a albufeira comece a encher.

Um abraço e ...
Boa pescaria!!!

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Vamos fumar um charro?


Hoje comemora-se o dia da marijuana, cannabis, erva, maconha, ou como queiram chamar-lhe. Havia um grupo de estudantes que às 04.20 horas costumava saltar o muro de uma certa universidade americana para ir fumar uns charros. Mais tarde, os aficionados desta droga pegaram nos números e deram-lhe outro significado, 4/20 que à moda americana significa 20/Abril. E assim nasceu o dia dos maconheiros que hoje é celebrado por muitos amigos deste vício, um pouco por todo o mundo.
Nos anos que se seguiram à independência de Angola, Portugal foi encharcado em «Liamba», erva que ficou famosa entre os militares que tinham combatido naquela colónia portuguesa e que a trouxeram para cá, iniciando um comércio que durou uns bons anos e deu dinheiro a ganhar a muita gente. Não o posso confirmar, mas o mais provável é que fosse mesmo cannabis, ou então uma variedade da mesma planta.
A rapaziada nova gostava de dar umas passas e depois ... passava-se dos carretos!


terça-feira, 19 de abril de 2016

Não é nada meu!

Agora é que eu percebi com quem o Sócrates aprendeu a lição!
Lembram-se de o Lula ter vindo a Lisboa durante o lançamento do livro de Sócrates?
Deve ter vindo dar-lhe os parabéns pelo êxito do plano!

Uff, esta foi dura!

Vou queixar-me à Associação dos Adeptos Benfiquistas por causa dos jogos marcados para as 21.00 horas. É que o jogo acaba tão tarde que já não me dá tempo para fazer a habitual crónica a que vos habituei. Teria que abandonar os amigos da tertúlia com quem vejo os jogos, logo que soasse o apito do árbitro para acabar o jogo, e correr até aqui para poder fazê-lo. Assim não dá!
O remédio que tenho é ser mais breve que o costume e deixar-me de invenções. O Vitória de Setúbal saiu-me melhor que a encomenda e aos 25 segundos de jogo já estávamos a perder. Que Deus me acuda! Mas na meia hora seguinte o Benfica jogou o suficiente para meter 5 golos e ninguém sabe dizer como é que isso não aconteceu. Bem entraram 2 e foi o suficiente para manter o 1º lugar que é, ao fim e ao cabo, tudo o que nos interessa.
A segunda parte foi para esquecer e melhor me tivesse vindo embora ao intervalo. Não sei dizer se foi mérito do Vitória ou demérito do Benfica, mas inclino-me mais para a primeira hipótese e isso não me deixa nada sossegado. Isto porque acho que o Rio Ave, com quem temos que nos haver no próximo fim de semana, é um bocado mais perigoso que o Setúbal. E é fora do nosso território, para piorar as coisas.
Por outro lado, a dor de cabeça dos lagartos deve ser muito maior que a minha, pois têm ainda que ir acertar contas com os andrades (que não gostam de perder nem a feijões) e com os pedreiros do Braga que têm provado ser uma das equipas que melhor futebol pratica na presente época. A coisa está mais preta para o lado deles do que para o meu e é com isso que estou a contar para cortar a meta com uma vantagem apreciável.
Carrega Benfica!

domingo, 17 de abril de 2016

Baboseiras!

O Benfica só joga amanhã e só então poderei respirar descansado e confiante na manutenção da liderança do campeonato. Mas o que quero dizer hoje é que o JJ - mais uma vez - abriu a boca e saiu asneira. Disse ele que só o Sporting joga bonito e os outros, às vezes, ganham uns joguinhos com sorte. Melhor tivesse ficado calado, pois no jogo de ontem a sua equipa jogou pouquíssimo e ganhou com um golo para lá de irregular, uma autêntica vergonha.
Se ele fosse um homem sério e tivesse um pouco de vergonha na cara, teria pedido desculpa aos sócios e adeptos do Sporting, na conferência de imprensa, depois do jogo. Mas, como já se viu, ele é um completo anormal e tudo o que de mau lhe puder acontecer até ao fim da época, é bem merecido e talvez lhe sirva de emenda.
E no dia em que o presidente dos andrades inicia mais um mandato, a equipa conseguiu, finalmente, uma vitória folgada, frente aos madeirenses do Nacional, embora sem conseguir fazer uma exibição de encher o olho e deixar os adeptos sossegados. E o Peseiro (que não sabe onde vai treinar na próxima época) pôde finalmente dar um sorriso, embora um tanto amarelo. Amarelo, porque ele sabe que o Pintinho antes quer o JJ ou o Marco Silva como treinadores para a próxima época e anda a tratar disso. Coitado do Peseiro, onde ele se foi meter!
E por hoje é tudo, amanhã há mais!

sábado, 16 de abril de 2016

O Galo do Neves!

Quando me lembro do filho da puta do galo e do trabalho que me deu, ainda se me eriçam os pelos todos. Roubá-lo, cortar-lhe o pescoço, cozinhá-lo e comê-lo foi a parte mais fácil, o pior veio depois.
Segundo informações recentes o Neves ainda é vivo e mora em Vila Cabral (Lichinga), portanto espero que não leia isto senão ainda me aparece aqui à porta a pedir contas.
Era um galo enorme e como a dona dele (a Maria do Neves) não aceitou que lho pagasse, mas antes exigiu um igual para substituir o morto, tive que usar de todas as minhas influências e pôr os amigos a trabalhar para mandar vir de fora o bicho que não era possível encontrar em Metangula.
Já não me recordo a quem recorri, mas lembro-me que ao tempo estava o Sargento Marques à frente do Entreposto da Marinha, em Vila Cabral, e foi através dele que o negócio se fez. Perto da cidade havia uma povoação chamada Nova Madeira composta por colonos madeirenses que se dedicavam à agricultura. Foi daí que veio o galo que numa certa quarta-feira aterrou em Metangula, a bordo do Dakota que nos ia levar os víveres, a cada quinze dias.


Foi um teatro para a Maria aceitar o galo que era, pois claro, completamente diferente do outro a quem ela chamava filhinho. Dizia ela que o tinha criado desde pintaínho até ao dia em que caiu nas minhas mãos e perdeu a cabeça. Mas lá acabou por ficar com ele e a história morreu ali. É que ela tinha ameaçado de ir fazer queixa ao comandante e com a sede que ele me tinha, eu não podia esperar qualquer tipo de clemência. Antes de regressarmos a Portugal ainda arranjou maneira de me lixar a promoção a Cabo, enfiando-me 12 dias na pildra (prisão disciplinar agravada).
São estas as histórias que ficam para compor a «História da Minha Vida».

Acredite se quiser!


Será isto real ou produto de uma montagem feita por algum habilidoso para se rir à nossa custa?
Esta lula gigante deu à costa na Ilha do Sal, segundo li num jornal qualquer. Basta comparar  o seu tamanho com o das pessoas que a rodeiam para perceber a enormidade do bicho.
Como as lulas servem de alimento às baleias, fico cá a pensar se haveria alguma baleia com coragem para abocanhar este monstro!

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Soma e segue!

A organização do «Convívio Vila Real 2016» continua de vento em popa. Como há vários "comensais" que mostraram interesse em pernoitar na capital do Marão e assim poderem fazer-me companhia num copo extra para deixar recordações deste convívio, seguem abaixo os detalhes da Residencial Lopes que é quem vai servir-nos o rancho nesse dia.
Não conheço, pessoalmente, a casa e não posso por isso dar-vos detalhes da qualidade das instalações, mas em geral não há muita diferença de umas para as outras neste tipo de casas.

Telefones de contacto - 259 324 690 - 969 526 781

E há hotéis em Vila Real que são fáceis de encontrar na internet. Cada um sabe de si e sabe o que quer.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Lisboa - Vila Real

Percurso de Lisboa a Vila Real via Viseu
381 Kms correspondente a 3 horas e 44 minutos
Via Porto são apenas 24 Kms mais
O percurso de Coimbra a Vila Real tem mais
paisagens (vistas) para apreciar.

Acredito que uma viagem tão longa meta medo a muita gente e por isso a minha caixa de correio continua vazia, depois de passadas 48 horas sobre a data em que enviei o mail a todos perguntando se podia contar com eles para o convívio.
O mesmo em relação ao convite que fiz, via Facebook, ao pessoal da CF9, Guiné 1966/1968, a que ninguém se dignou responder. Até pode acontecer que nenhum membro desta Companhia perca o seu tempo com o Facebook, mas fico com a pulga atrás da orelha.
Não são sinais muito entusiasmantes!
Será que este convívio vai por água abaixo?

É duro ser pai!

Talvez já conheçam estas imagens, mas não faz mal nenhum deixá-las aqui para quem as não viu ainda. Funcionam como uma crítica aos pais modernos para quem os filhos são um embaraço, mas isso não quer dizer que os pais de antigamente fossem melhores. E digo isto a pensar em mim mesmo e em tudo aquilo que fiz de errado.

O indispensável Facebook!

Criança sofre!

Soluções habilidosas!

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Foi bom enquanto durou!


Sempre aceitei como inevitável a eliminação do Benfica nesta prova. Chegar aos quartos de final, coisa que já não acontecia há bastante tempo, já foi muito bom. E, é claro, o Bayern está uns furos acima do Benfica e aconteceu aquilo que era normal acontecer. O que importa é que o Benfica não fez má figura frente aos bávaros.
Agora resta-nos o campeonato e é nisso que devemos concentrar-nos. Nem quero pensar na hipótese de perdermos a corrida ao título desta época, portanto vamos dar o litro para chegar ao fim e cantar vitória.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Ronaldo x 3 !

Os espanhóis passam a vida a pôr defeitos ao CR7, mas se não fosse ele estavam tramados. Com a eliminatória praticamente perdida em Wolfsburgo, foi ele que, com um categórico hat-trick, reverteu a situação e os catapultou para as meias finais.
Nem falo dos milhões embolsados pelo Real Madrid com a passagem às meias-finais que isso para eles são "peanuts", mas sim da fama e futuros proveitos que este apuramento lhe traz. Só espero que a disputa não seja outra vez com o Barcelona, pois isso começa a não ter piada nenhuma. E até pode acontecer que amanhã o Atlético atire o Barcelona pela borda fora.
Hoje, passou o Real e o City, amanhã será a vez do Benfica e Bayern discutirem quem se vai juntar ao clube dos finalistas. Quanto aos 2 clubes espanhóis, torço pelo Atlético e seja o que Deus quiser.
Mas o que de facto interessa hoje é pôr o Cristiano Ronaldo no lugar que ele merece, ou seja, nas nuvens. E os espanhóis que se rendam ao seu génio, pois não há outro melhor em toda a Península Ibérica.

Isto é um deserto!


Não anda ninguém por aqui!
Deixaram-me sozinho a pregar no deserto!
O Eduardo eclipsou-se, só espero que não esteja doente!
A minha última mensagem não mereceu um único comentário!
Fiquei a pensar se os meus visitantes são todos "dragões" e ficaram ofendidos com o meu palavreado!
Também pensei que pode ter sido a convocatória para aparecerem em Vila Real que os tenha feito fugir espavoridos!
Que outros motivos pode haver?
Vá lá, falem, não se acanhem!

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Andrades, trafulhas, morcões!

Tanto lhes rezei pela alma que acabaram por cair na lama. A cara deles, depois de cada derrota averbada no seu currículo até mete pena! O Pintinho, na semana passada, disse que sentia vergonha. Imagino o que diria hoje se tivesse coragem para tanto! Demorou anos a chegar a hora da minha vingança e agora nem sei como desfrutá-la. E sinto-me também vingado, na má escolha feita pelo Maxi Pereira que a troco de uns cobres trocou o clube campeão pelos rotos e envergonhados dragões. Só espero que continuem assim por mais algumas épocas, a ver se o Glorioso SLB consolida a sua posição como equipa/clube dominante.


Qual é a única equipa que apenas soma vitórias no quadro acima?
No meio disto tudo só uma coisa me dá pena, é que o FCP não esteja em condições para dar uma ensinadela ao Sporting do JJ e fazer este engolir todas as bacoradas que deitou pela boca fora no início da época. Se o conseguir até sou capaz de lhe perdoar todo o mal que me tem feito.

domingo, 10 de abril de 2016

Uma aflição!

Ontem, estive quase a ver a coisa mal parada. Sofrer um golo e não conseguir repor a igualdade, durante tanto tempo, deixa os adeptos com o credo na boca. E depois da igualdade reposta, ver o relógio a comer os minutos sem que aparecesse o golo da vitória, deixa-os à beira de um ataque de nervos. Muita unha deve ter sido roída, durante o jogo da Académica com o Benfica. Será que vai ser assim em todos os jogos?
Em teoria, todas as equipas que o Benfica tem ainda que defrontar até ao fim do campeonato são mais fracas, mas nem sempre a teoria corresponde à realidade e aí é que reside o problema. Os grandes craques do Benfica que tantos e tão bonitos golos têm marcado estavam, ontem, de pé torto. O Jonas que tanto precisa de golos para se afirmar como candidato ao título de melhor marcador, voltou a ficar em Branco. Foi preciso entrar o Raul para resolver o problema e fazer com que os adeptos pudessem soltar o ar dos pulmões que já quase rebentavam de tanto suster a respiração.
E o Pizzi? Aquele transmontano de uma figa não deu uma para a caixa. Não conseguiu fazer um remate aceitável e os passes iam para fora ou para os pés dos adversários. Saíu aos 60 minutos, mas fora eu o treinador e já teria saído antes. O treinador tem que estar mais atento a esses pormenores, quando um está em dia não troca-se de imediato. Eu sentia que o JJ, lá em Lisboa, estava a fazer figas para o jogo acabar empatado e assim ficar com os mesmos pontos na classificação. Mas ainda não foi desta que teve esse prazer.


E acredito que a psique dos jogadores já estava mais ligada ao jogo da próxima quarta-feira, com o gigante da Baviera, do que aos "fraquinhos" da Académica que nunca lhes passou pela cabeça que pudessem pôr entraves à vitória do Benfica no jogo de ontem. E estiveram quase a ter a paga da sua desatenção a esse pormenor. O melhor e mais seguro é considerar sempre que todos os adversários são tão fortes como o Bayern de Munique. Para evitar surpresas e cantar de galo no fim!

sábado, 9 de abril de 2016

D. Paio Peres!

É preciso recuar até ao Século XIII para encontrarmos o homem que deu o nome à Aldeia de Paio Pires que até eu ingressar na Marinha nem tão pouco sabia que existia. E mesmo assim não passava de uma placa de sinalização que se encontrava à nossa direita, quando viajávamos, em gozo de licença, de Coina para o Laranjeiro, a caminho da Base Naval, onde se apanhava a vedeta da Marinha para Lisboa. Viagem tantas vezes repetida que me basta fechar os olhos para visualizar a tal placa branca com letras pretas a dizer Paio Pires.
A faixa de terreno, na margem esquerda do rio Coina, foi doada pela Coroa ao fidalgo D. Paio Peres Correa por este se ter destacado na luta contra os infiéis muçulmanos que, tal como hoje ainda acontece, incomodavam toda a gente. Até à instalação da Siderurgia Nacional, aquilo era um paraíso de hortas, pomares e vinhas que davam de comer e beber a muita gente. Depois transformou-se numa terra feia, enferrujada, empoeirada, barulhenta e cheia de fumo que pouco agradava a quem a via. Serviu para dar emprego a muita gente, mas a Revolução de Abril deu cabo daquilo tudo e hoje só restam as recordações.


Decorria a primavera de 1962, comigo a bater tacões na Parada da Escola de Fuzileiros, em Vale de Zebro, e era esta a visão que eu tinha da Aldeia de Paio Pires, uma coisa negra, suja e feia. Até podia acontecer que no lado poente da aldeia tudo fosse mais bonito, mas nunca fui lá para ver. Aliás, nem nessa altura, nem depois, nem nunca até hoje, nunca virei à direita naquela placa de que falo acima e acreditem que tenho lá passado vezes sem conta. São coisas da vida, acontecem porque sim e não se discutem.
E perguntarão vocês que raio de assunto é este para um sábado à tarde, quando devia era estar a preparar-me para ir apreciar o Glorioso a disputar mais uma das finais que o hão-de levar até ao título. Pois não se apressem que eu, com a calma de um alentejano sentado á sombra de um chaparro, lá chegarei. Acontece que cada vez que abro o meu blog é certo e sabido que dou de caras com um visitante de Paio Pires. Naquela terra mora um camarada da CF8, o António J. Mestre, e mais ao lado, na Arrentela, o Silveira, também ele camarada fuzileiro que me acompanhou, em Moçambique, durante 6 anos. Fico a pensar se será algum deles, ou apenas algum curioso que se agrada daquilo que vou escrevendo aqui. Desafio-o a deixar aqui um comentário, para me tirar desta incerteza!

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Grande trabalhador!

O meu dia de hoje foi dedicado ao convívio que estou a organizar em Vila Real de Trás-os-Montes. Provisoriamente, será o dia 11 de Junho a data escolhida para o efeito, o qul só poderei confirmar depois de ter um acordo com o restaurante que vai servir o rancho. Telefonemas, envio de mails, discussões para um e outro lado, preparação das listas, um sem fim de esforços para ver se a coisa acontece.
A ideia é levar ao convívio aqueles que, com a desculpa de morarem muito longe, nunca lá foram. Ao mesmo tempo há uma quantidade de transmontanos de quem nunca consegui descobrir o endereço e vou fazer um último esforço para os localizar. E como a CF9 que esteve na Guiné ao mesmo tempo que a CF8 esteve em Moçambique e os seus efectivos pertenciam às mesmas escolas (Março de 62 e Setembro de 64) resolvi alargar o convite ao pessoal desta Companhia que more perto da Vila Real. E já tenho 3 confirmações.


Com isto tudo a ocupar-me a mente, não tive tempo de preparar uma crónica para o dia de hoje que está quase a terminar. e em substituição vou deixar-vos uma menina para vos fazer companhia no fim de semana que espero seja do melhor.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Quem sabe, sabe!

video
Clicar em Full Screen para ver melhor!!!

Este video é um espectáculo, mas era outro que eu pensava publicar aqui. À última hora decidi trocá-lo para evitar o risco de queixas por parte de quem não gosta de ver o corpo feminino exposto ao público. Se tiveres opinião sobre este assunto, clica AQUI e diz da tua justiça.

Vai à boleia!


Se gostas do que vês põe um like e partilha!
No Facebook é assim que se faz e a imagem espalha-se à velocidade da luz. Nos blogs é diferente, embora se possa também fazer download da fotografia e copiar o texto para qualquer lado, um visitante mais atencioso que deixa um curto comentário e siga o baile.
Encontrei esta foto num jornal que é raro ver e achei piada ao nosso ex-PM sentado na sua malinha e a pedir boleia. Para onde quererá ele ir? Para o raio que o parta ou para a «pata que o pôs» seria o que qualquer português pisado e explorado por ele, nos últimos 4 anos, diria sem hesitar. Num certo sentido sou obrigado a concordar com o velho Jerónimo, líder dos comunistas, durante o último governo, os ricos ficaram mais ricos e os pobres ficaram mais pobres. E assim não dá!
Não posso garantir que o António Costa venha a fazer melhor que ele ao leme do nosso porta-aviões, mas temos que acreditar que sim, ou a vida não terá piada nenhuma. Ontem ouvi o treinador do Braga dizer que ganhar ao Shaktar é uma missão difícil, mas não impossível. Gostei de o ouvir dizer aquilo, significa que está consciente da responsabilidade e pronto para dar o litro por uma vitória.
Se nós tivéssemos um Primeiro Ministro capaz de dizer estas palavras, talvez o resultado da governação fosse outro!

quarta-feira, 6 de abril de 2016

O Panamá!

Até entrar na Marinha, só conhecia a palavra como nome de um país da América Central. Depois do dia 10 de Março de 1962, estava proibido de andar em cabelo e era o panamá que me servia de chapéu. Na farda de combate ou de licença podia usar-se outro tipo de chapéu, mas no dia-a-dia, logo após as abluções matinais, cobria-se a cabeça com o famoso panamá e ali ficava ele até ir para a caminha. Um companheiro, portanto, a não esquecer.
Acredito que metade dos portugueses nunca ouviram falar no panamá. Nem aquele que fica na América Central, nem o que cobre os cabelos da marujada. Uma terrível falta de cultura geral! Aqueles que nasceram depois do 25 de Abril, se tivessem estado mais atentos nas aulas, deviam saber, mas por aquilo que me tem sido dado a ver e ouvir no Big Brother, Casa dos Segredos e afins, não sabem a ponta de um corno. Problema deles!
Com as notícias bombásticas desta semana, sobre os «Panama Papers» a palavra ganhou outra importância e todos já sabem que aquilo é um paraíso fiscal, onde foram criadas muitas empresas Offshore que gerem biliões de dólares, com o fito de não pagar os impostos devidos nos respectivos países onde moram os donos da massa. Parece que também há muitos portugueses entre eles, mas informo-vos já que não sou um deles. Não me importava de ser, pois isso quereria dizer que eu andava a nadar em massa e embora tivesse, agora, que repartir o bolo com o Ministro das Finanças ainda devia sobrar o suficiente para me ficar a rir desta tropa fandanga (políticos) que faz as leis e se diverte a fugir delas quanto e quando pode.
Infelizmente só conto com o dinheiro da reforma e Deus queira que nunca me falte, senão fico condenado a passar fome! 

terça-feira, 5 de abril de 2016

Futebol, cerveja e salsichas!

São três coisas que não têm discussão, na Alemanha, pois são do melhor que há no mundo. Os benfiquistas que tiveram pedalada para acompanhar a equipa até Munique vão ter, hoje, a prova indiscutível desta verdade. A não ser que a equipa de futebol se deixe bater pelo meu Benfica, coisa que não é de esperar, pois na cerveja e na indústria da salsicharia não há quem os bata. Eu só vivi naquele país 14 meses e devo ter comido uns bons quilos de salsichas e bebido umas centenas largas de garrafas de cerveja. E, atenção, que lá elas são de meio litro!








Logo à noite se verá até que ponto o Glorioso e os seus craques serão capazes de aguentar (e por quanto tempo) as habilidades e a capacidade de remate dos rapazes do Guardiola que é o melhor treinador do mundo em actividade. Só me resta esperar que não estejam muito inspirados, hoje!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

É segunda-feira!

Nos tempos em que a malta tinha que levantar cedo, super cansada do fim de semana, para ir trabalhar, isso é que era uma dor de cabeça, agora todos os dias são sábados e domingos e dessas segundas-feiras ninguém se lembra já. Para recuperar a juventude alguns não se importariam de voltar a sofrê-las.
Mas, voltando atrás um passo, como é que os fins de semana são para descansar e o pessoal acaba mais cansado ainda do que estava na sexta-feira? Perguntei ao meu psiquiatra e a resposta foi imediata, à sexta o cansaço é mental, enquanto que à segunda é físico mesmo. De segunda a sexta descansa-se o físico e rebenta-se com a mente a aturar o chefe, por exemplo.
Eu deixei de trabalhar aos 59 anos, por força da situação nos têxteis e confecções, e o meu stressómetro estava no máximo, quase a rebentar. E posso garantir-vos que demorou mais de 5 anos a normalizar. Sonhava com o trabalho e os problemas dele decorrentes a noite inteira. E mesmo a dormir engendrava soluções para aquilo que no dia anterior tinha ficado por resolver. De manhã, depois de acordar, só me apetecia gritar - até quando é que isto vai durar, já chega, estou farto!
Hoje em dia, tudo o que me preocupa é se o Benfica e os seus mais directos adversários mantêm a mesma posição ou se algum deles perdeu pontos para os outros. Mas hoje nem isso está na ordem do dia, pois os meus adversários só jogam logo à noite e a questão ficou adiada por 24 horas. Uma certeza tenho, no entanto, o Benfica não perdeu pontos para qualquer deles. Eles que se desunhem logo à noite para poderem dizer o mesmo!


E para terminar vou lembrar-vos de uma história passada por volta de 1950, altura em que os automóveis eram raros e mal chegavam aos 50 kms por hora. Um viajante partiu de Lisboa a caminho de Évora e pouco depois de passar por Montemor, já cansado de tanta condução e a coluna a doer, parou junto de um chaparro, debaixo do qual descansavam dois compadres.
- Esta estrada vai para Évora, perguntou ele à falta de melhor assunto.
- Nã senhori, esta fica aqui que faz-nos falta!
Então boa viagem, quero dizer, boa semana a todos!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

A caminho do Marquês!


Acho que podemos começar a pensar a sério no título de campeão da presente época. Este era o jogo mais difícil que tínhamos até ao fim do campeonato e tendo-o ultrapassado com sucesso, muito mal seria que não pudéssemos aspirar ao título. Parece-me que podemos entrar em contacto com a Câmara Municipal de Lisboa para reservar o Marquês para a festa. Festa que este ano não terá nenhum traidor infiltrado, como aconteceu no ano passado. Vai ser o máximo!

Cinco vezes aconteceu isto na baliza do nosso adversário!!!!!

O jogo nem começou assim muito bem, por duas vezes foi o ferro que serviu de terceiro central e evitou o golo. E se o Rafa tem metido aquele golo que falhou por um triz, não sei o que teria acontecido depois. Mas os jogos são assim mesmo e a sorte também faz parte, pois sem ela nunca se consegue nada, basta lembrar o que se passou ao longo dos seis anos em que o JJ foi o treinador do Glorioso, em que a sorte esteve do lado do adversário e por conta disso perdemos três campeonatos.
Depois desse primeiro quarto de hora de aflição, o Benfica pegou no jogo e nunca mais houve grande perigo para as nossas redes. Cinco golos nunca esteve no meu pensamento, eu já me daria por satisfeito se ganhasse por 1 a 0, mas as bolas começaram a entrar na baliza do Braga e foi um prazer ver como os adeptos saltavam de contentes nas bancadas. Então a miudagem nem se fala, estavam mais felizes do que se tivesse saído o euromilhões aos seus pais.
Agora vamos preparar-nos para a coça que vamos levar em Munique, tudo que peço é que saiam de lá com a cabeça erguida, porque perder com uma equipa daquelas não é vergonha nenhuma. Aquilo é outro campeonato!