quinta-feira, 21 de junho de 2018

Cala-te boca!


Já são tantos a falar mal da nossa selecção que eu prefiro ficar calado. Aliás, eu não sou assim tão especialista nessas coisas da bola para ver que todos os jogadores, menos o Patrício e o Ronaldo, jogaram mal que se fartaram. E os dois que escaparam à crítica foi apenas porque o primeiro não sofreu nenhum golo e o segundo marcou o único que vimos entrar na baliza dos marroquinos e nos deu a vitória. Talvez os restantes tenham feito alguma asneira, mas sinceramente não me apercebi. Também reservar um jogo destes para a altura do dia em que tenho mais sono não é nada boa ideia. Se não fosse a minha mulher e o cão passarem o tempo todo a abanar-me, eu não tinha visto nada, nem os que jogaram bem nem os outros. O golo sim que esse já tinha entrado, logo no início, quando ainda estava a meter umas garfadas do almoço pela goela abaixo.
Agora estamos empatados com a Espanha, em pontos e em golos, e o último jogo tem contornos muito diferentes para cada um de nós. A Espanha vai jogar com Marrocos que já está fora da corrida e, de certeza, não se vai matar a defender o resultado. Nós vamos enfrentar os iranianos do Carlos Queirós que ainda sonham chegar aos 6 pontos e ao possível do 2º lugar. E para o conseguirem terá que ser à nossa custa que dessa maneira ficaríamos fora da corrida com uns miseráveis 4 pontos.
Isso é uma possibilidade, mas seria a maior vergonha do século com a equipa que temos sermos empurrados pela porta fora, além do mais por uma equipa asiática treinada por um português.
E, para terminar a minha publicação de hoje, vejam o Ti Jaquim das Berças que foi mostrar Moscovo à filha e logo houve um fotógrafo estrangeiro que os encaixotou. Felizmente, eu encontrei-os e tratei de os desencaixotar, para não ficarem desaparecidos para sempre. Digam lá se não fiz bem?

quarta-feira, 20 de junho de 2018

À conquista de Marrocos!


O Século XV já vai longe. Ninguém se lembra já dos bravos portugueses (alguns não tão bravos assim, pois eram prisioneiros que em troca da comutação da pena aceitaram empunhar a espada pelo rei) que atacaram as costas africanas e conquistaram Ceuta e Tânger. Se não fossem os historiadores a relatar esses acontecimentos e, mais tarde, os escultores a imortalizar as suas imagens nos monumentos que podemos ver por aí, ninguém recordaria os seus nomes.
Como o Infante D. Fernando (que na imagem se vê ajoelhado, abraçando a sua espada) que ficou cativo e pagou com a vida a aventura em que se meteu. Pediu ao rei que entregasse Ceuta em troca da sua libertação, mas não foi atendido e andou de prisão em prisão até que a vida o abandonou. Esse ainda ficou na História porque era nobre e filho do rei, os milhares de outros lutadores anónimos não tiveram direito a tanto.
Vivemos, hoje, no Século XXI, mais precisamente no ano da graça de 2018 e partimos de novo à conquista de Marrocos, capitaneados por D. Cristiano Aveiro, Marquês do Funchal. Que Deus nos ajude e o proteja para que regresse vitorioso da empresa a que meteu ombros. Isso honrará o Reino de Portugal e trará ao seu capitão de armas mais riquezas, talvez uma bola de ouro mais para expor no seu museu, na Ilha da madeira. E assim perpetuar a sua memória e ser reconhecido por aqueles que ainda hão-de nascer. 

terça-feira, 19 de junho de 2018

O meu noticiário!


Em primeiro lugar, a minha filha mais velha faz, hoje, 49 anos. Isso faz-me lembrar que estou quase nos 50 anos de casamento e muito "cocuana". Não é que isso fosse um grande problema se eu tivesse uma saúde de ferro (e se o ferro não ganhasse ferrugem), o que não é o caso. Ditado popular - não vale a pena queixares-te que ninguém te dá nada (especialmente saúde).


Por sorte ou azar dela, a minha filha é professora. Começou por ser de Educação Física, não arranjava colocação e mudou-se para o Ensino Primário. Agora, além de aturar os putos tem também de aturar o ministro, os políticos que não dão uma para a caixa, quando se trata da Educação, e ainda o nosso Primeiro Ministro que se farta de repetir que "palavra dada é palavra honrada", mas na hora H diz  que bem queria mas não tem dinheiro para isso.


No Dia da Marinha um grupo de Fuzos desfilou com a farda dos velhos tempos. Se eu ainda tivesse idade para isso, também queria uma para ir engatar sopeiras para o Jardim do Campo Grande. Sempre é mais bonita do que andar com um prato branco na cabeça e uma fitinha preta a dizer ARMADA. Armada em quê? Eu preferia Marinha de Guerra, ou então, Corpo de Fuzileiros.


Os rapazes da selecção saudita podem dizer que nasceram ontem outra vez. Com cinco toneladas de gasolina dentro da asa e esta a arder em pleno voo, podem dar graças a Deus, ao a Alá, por ainda estarem vivos. Decerto gastaram todos os créditos de sorte que tinham, da próxima não têm escapatória. Se estivesse no lugar deles nunca mais me metia num avião, pois seria desafiar a sorte.


E já que falamos de futebol, o busto do Cristiano Ronaldo (que mais parecia um mamaraccho com vontade de desatar a rir) foi substituído por este que é muito mais bonito, mas ainda tem defeito. E o defeito é bem evidente, não se parece nada com o original.
Se eu tivesse o dinheiro do CR7, abria um concurso, a nível internacional, com um prémio de cem mil euros, para que lhe esculpissem um busto como deve ser. Podiam fazer um em tamanho reduzido, para não ficar muito caro em material, e depois reproduzia-se no tamanho que se quisesse. Por este andar ficaremos com uma galeria de mamarrachos, no Funchal, para fazer rir os turistas.
O nosso astro-mor do futebol não o merece!

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Ena, cum catano!


Hoje, o sol queima a pele mesmo através da roupa. Depois de meia hora a regar a horta, ardiam-me as costas e já cheirava a carne assada. Fui espreitar as previsões para os próximos dias e não gostei nem um bocadinho. Vamos entrar no verão com o céu coberto de nuvens e o dia 25 prevê-se muito feio. Parece que vai trovejar e pingar na sexta e há mais pingas guardadas para segunda e terça da próxima semana.
Se isto é o verão, eu vou ali e já volto!

domingo, 17 de junho de 2018

Hoje não há futebol!

Por acaso, até há, mas vou evitar falar nisso para desintoxicar um pouco o ambiente. Já nos basta o Bruno de Carvalho e o Jaime Marta Soares que tomaram de assalto todos os canais de notícias deste país. Mas mesmo evitando falar nisso, sempre vos digo que, hoje, jogam a Alemanha e o Brasil, dois putativos candidatos a levar o troféu que o Casillas nos apresentou, há dias. Não um contra o outro, mas sim com adversários diferentes.
A Mota & C.ia foi a minha primeira experiência negativa nos negócios da Bolsa de Valores de Lisboa. Antes do "nosso amigo Cavaco" mandar aquela boca foleira, em Outubro de 1987, que fez descambar as cotações e provocar prejuízos irrecuperáveis a muita gente, de que na Bolsa se vendia gato por lebre, um grupo de investidores, todos colegas de trabalho da empresa onde eu trabalhei quase toda a minha vida, comprou 20 acções da Mota & C.ia a 25 contos cada uma. Um investimento de 500 contos, o maior que o grupo fez, em toda a sua curta e mal sucedida história.
Anos depois, com o capital do grupo reduzido a cerca de 1.000 contos - tinha sido lançado com 3.000, repartidos por 12 sócios - algumas propostas de extinção e ninguém a querer gerir a desgraça, calhou-me a mim a fava. Geri o melhor que pude e soube, paguei a indemnização devida a quem quis sair, e tomei uma das mais polémicas decisões que a maioria aprovou, mas alguns nunca me perdoaram, vender as acções da Mota. O melhor preço que consegui foram 5.500$00 por cada uma, ou seja, cerca de um quinto do preço de compra.
Depois disso, os sócios descontentes quiseram abandonar o grupo e dos restantes só havia um que me apoiava ainda. Vi que assim não podia continuar e fiz-lhes uma proposta, ou abandonava a gestão do grupo e teriam que nomear outro para o fazer, ou ... comprava todas as suas partes e ficava dono da carteira. Os habituais descontentes não gostaram nada da ideia, dizendo que me estava a aproveitar da situação, mas ninguém aceitou tomar o meu lugar. Resultado, acabaram por me deixar sozinho, recebendo menos de um terço daquilo que tinham investido. E assim acabei por me tornar um investidor na Bolsa de Valores.
Segundo a notícia que podem ler abaixo, a neta do fundador da empresa (que me lançou na Bolsa e custou uma mão cheia de contos) vai meter-se nos negócios do Vinho Verde, uma vez que a Construção Civil anda pelas ruas da amargura e já tem outros parentes que se preocupam com isso. Embora haja inúmeras campanhas que se propõem acabar com o consumo do álcool, eu acredito que nunca o conseguirão. E depois, um Verde fresquinho vai bem com peixes ou mariscos, durante o verão com qualquer refeição, ou a qualquer hora e em qualquer canto do mundo, fora das refeições para combater o tédio. Até há amantes que não dispensam um copo dessa riqueza, antes de partir para o beija-baija, lambe-lambe, pois deixa as papilas gustativas em total alvoroço. Querem melhor? Experimentem!


“Foi a terceira geração que percebeu o potencial que estava aqui, entre as vinhas, as quintas e a Casa da Calçada”, conta Inês Mota, filha de António Mota, o chairman da Mota-Engil.
A verdade é que tudo começou lá atrás, quando Manuel António da Mota, o avô de Inês, sonhava com comprar a Casa da Calçada, construída durante o século XVI para ser um dos principais palácios do Conde de Redondo. O edifício de estilo barroco, onde durante as invasões francesas se instalaram os comandos aliados (ingleses e portugueses) viria no século XX a tornar-se ponto de encontro para políticos e intelectuais liderados pelo proprietário de então, António do Lago Cerqueira, um dos mais importantes líderes políticos da Primeira República.

sábado, 16 de junho de 2018

Ele é o maior!


Já são tantos a falar mal da nossa selecção que eu prefiro ficar calado. Aliás, eu não sou assim tão especialista nessas coisas da bola para ver que todos os jogadores, menos o Patrício e o Ronaldo, jogaram mal que se fartaram. E os dois que escaparam à crítica foi apenas porque o primeiro não sofreu nenhum golo e o segundo marcou o único que vimos entrar na baliza dos marroquinos e nos deu a vitória. Talvez os restantes tenham feito alguma asneira, mas sinceramente não me apercebi. Também reservar um jogo destes para a altura do dia em que tenho mais sono não é nada boa ideia. Se não fosse a minha mulher e o cão passarem o tempo todo a abanar-me, eu não tinha visto nada, nem os que jogaram bem nem os outros. O golo sim que esse já tinha entrado, logo no início, quando ainda estava a meter umas garfadas do almoço pela goela abaixo.
Agora estamos empatados com a Espanha, em pontos e em golos, e o último jogo tem contornos muito diferentes para cada um de nós. A Espanha vai jogar com Marrocos que já está fora da corrida e, de certeza, não se vai matar a defender o resultado. Nós vamos enfrentar os iranianos do Carlos Queirós que ainda sonham chegar aos 6 pontos e ao possível do 2º lugar. E para o conseguirem terá que ser à nossa custa que dessa maneira ficaríamos fora da corrida com uns miseráveis 4 pontos.
Isso é uma possibilidade, mas seria a maior vergonha do século com a equipa que temos sermos empurrados pela porta fora, além do mais por uma equipa asiática treinada por um português.
E, para terminar a minha publicação de hoje, vejam o Ti Jaquim das Berças que foi mostrar Moscovo à filha e logo houve um fotógrafo estrangeiro que os encaixotou. Felizmente, eu encontrei-os e tratei de os desencaixotar, para não ficarem desaparecidos para sempre. Digam lá se não fiz bem?

sexta-feira, 15 de junho de 2018

A fartura até aborrece!


Vi esta foto e gostei dela. Por isso resolvi trazê-la para aqui num dia como o de hoje em que temos que nos esfarrapar todos para levar a melhor sobre nuestros hermanos. Não quer isto dizer que os três jogadores representados vão alinhar no jogo de hoje, se calhar longe disso. Aliás, na minha percepção será, o Bernardo sim, o André não e o João Mário talvez.
Há poucas certezas quanto às escolhas do Fernando Santos, talvez só na defesa isso aconteça (Pepe, Zé Fonte, Cedric e Guerreiro). Na frente de Ataque, eu aposto no Ronaldo, pela esquerda, Gonçalo, pelo meio, e Bernardo, pela direita. No meio campo são tantos que nem me arrisco a dizer um nome.
E não me arrisco a dizer mais nada, porque quanto mais disser mais posso errar. O treinador está lá, ele que faça o que entender que é ele quem está por dentro da coisa e, além disso, pagam-lhe para o fazer. Eu vou ficar sossegadinho e esperar que o jogo comece, só aí começarei a roer as unhas.
Boa sorte Portugal!

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Futebol é isto!

Querem que vos fale do futebol ou ... de futebol?
A diferença é o futebol nacional, por outras palavras a tragicomédia do Sporting, ou o internacional que, a partir de hoje, se joga na Rússia.
No que respeita ao nosso triste futebol, só se fala no Sporting, há já nem sei quantos dias. O Bruno de Carvalho está cada vez mais entalado e hoje sofreu mais uma derrota de peso. Se fosse homem de vergonha, agora é que ele se ia embora e não dizia mais uma palavra sobre o assunto. E eu, como benfiquista, ficaria muito feliz, pois desde que se começou a ouvir aquela voz de bagaço, sofri uma quantidade de desgostos. Mas ele é teimoso como uma mula, ou então não tem onde ir buscar o graveto ao fim do mês e não vê outra solução a não ser continuar. E aguentar as consequências, claro.

Iker Casillas e Natália Vodiónova apresentam a taça

Quanto ao futebol da Rússia vai de vento em popa, a cerimónia de abertura correu muito bem e o jogo de apresentação que está quase a acabar, frente à Arábia Saudita, vai num sossegado 4 a 0 e tanto uma como outra equipa jogaram que se fartaram. Palavra que não estava à espera disso. Pensei que seria um jogo morno, com os adversários a estudarem-se mutuamente e sem grandes lances para fazer levantar as bancadas. Muito pelo contrário, foi um jogo muito acelerado e a Rússia deu tudo por tudo para entrar a ganhar.
Amanhã seremos nós a mostrar a vontade que temos!

terça-feira, 12 de junho de 2018

Um dia para ficar na História!

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, assinaram esta terça-feira um “documento histórico”. Não se sabe, para já, o que consta no mesmo, mas Trump irá revelar o seu conteúdo ainda esta manhã.
“Este é um documento muito importante. Houve muito trabalho e boa vontade de ambos os lados. A nossa relação com a península coreana vai ser muito diferente daqui para a frente. Este encontro correu muito melhor do que estávamos à espera”, afirmou o presidente dos EUA durante esta breve conferência de imprensa, onde os dois líderes assinaram aquilo que descreveram como um “documento de compreensão”.


Todos esperamos que este dia fique na História e pelas melhores razões. Já era tempo de vir alguma coisa de positivo daquele canto do mundo. Vítimas da rivalidade histórica entre a China e o Japão e, mais recentemente, entre a Rússia e os Estados Unidos, o povo coreano tem sofrido as "passas do Algarve" e já merece uma vida melhor.
A fusão, ou reunião, das duas Coreias seria o passo mais acertado, mas não vejo isso como possível, enquanto a pressão comunista se mantiver naquele canto do mundo. Do meu ponto de vista, acontecerá na Coreia aquilo que for acontecendo na China. Quanto mais cedo a China se converter à economia de mercado e viver uma vida mais ocidentalizada, ou seguir o exemplo do Japão, mais depressa veremos as duas Coreias a remar para o mesmo lado e com a vida das gentes do norte e do sul mais homogénea.
Talvez, dentro de uma geração, lá para o ano de 2050, possamos ver isso. E como eu já cá não estarei para ver e comentar, quem cá estiver que tome conta do assunto. Mas lembrem-se desta data, o dia 12 de Junho de 2018 foi quando o "maluco" do Trump deu o passo decisivo para convencer o "maluco" do Kim que era tempo de parar com as maluquices do passado e juntos ganharem juízo.

Amigo não empata amigo!


Hoje é a grande festa dos lisboetas - ou deveria dizer alfacinhas ? - e parece que o S.Pedro, encarregado das torneiras celestes, está disposto a mantê-las fechadas para não estragar a festa do seu amigo e companheiro de andanças com o Mestre, por terras da Galileia.
Os poveiros, incluindo este rapaz que daqui vos escreve estas linhas, têm que meter uma cunha ao Santo António para convencer o S.Pedro a manter este clima para o dia 28, pois não há festa de S.Pedro que não tenha os pingos de chuva para incomodar os muitos visitantes da Póvoa que gostam de festejar até que o sol nasça, no dia 29. Aliás, o melhor da festa é ir curtir a carraspana para a praia e ver o sol nascer. Se não for assim, não é festa nem é nada, mas para isso é preciso que o tempo ajude.
A festa do S.João, normalmente, não tem esse problema, acontece nos primeiros dias de verão e oferece aos foliões um clima 5 estrelas para uma grande noitada. Seja no Porto, em Braga, ou Vila do Conde, há grandes festas de S.João para todos os gostos. Até o Professor Marcelo, nosso digníssimo Presidente da República, costuma aparecer para levar umas boas marteladas na carola. Quem nunca vi, metido nessas andanças, foi o presidente Cavaco Silva. Suponho que com medo que trocassem o martelo de plástico por outro de material mais duro e mais pesado.
E chega de conversa. Que o dia, e a noite, se apresentem favoráveis para as Marchas de Santo António, para os casamentos nos Jerónimos e os restantes festejos próprios desta ocasião.

Oh meu rico Santo António
Meu nobre santo casamenteiro
Quero uma mulher sem demónio
Mas que tenha muito dinheiro !

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Felicidade!


Um mar calmo e uma mulher bonita é tudo o que um marinheiro precisa!
E hoje não digo mais nada.

domingo, 10 de junho de 2018

Faltam apenas 2 dias!


Um de fato de corte tipicamente chinês, o outro de fato e gravata, com a famosa bandeirinha "stars &stripes" na lapela, já estão os dois prontos para a conversa agendada para depois de amanhã. Milhares de jornalistas e comentadores das TV's mundiais andaram entretidos durante os últimos dois meses, ora garantindo que tal encontro nunca se realizaria, ora afirmando, exactamente, o contrário. Tratando-se de dois cromos cuja caixa dos pirolitos não funciona de modo que se entenda, não admira. E se eles, dum momento para o outro, resolverem cancelar o encontro, que ninguém se espante também.
Brincar com armas nucleares é muito perigoso e o mundo ficaria mais seguro se eles conseguissem entender-se e arrumassem esses brinquedos. Do ponto de vista económico a Coreia do Norte teria muito a ganhar e talvez se abrisse uma porta para uma futura união das duas Coreias. Enfim, é uma reunião importante, Deus queira que eles se entendam. 

Morrinha e Moringa!

Universidade Kaen Khon na Tailândia, que foi capaz de demonstrar clinicamente a eficácia do extrato de Moringa no aumento da potência, demonstrando e classificando-o como um afrodisíaco eficaz. Os efeitos afrodisíacos foram demonstrados não só em homens, mas também em mulheres. Notificou-se que as pessoas subjectas ao teste revelaram um aumento da testosterona, da ansiedade para com as relações sexuais bem como o aumento do metabolismo. O efeito da Moringa ao metabolismo e no aumento da atividade em nosso organismo é matéria que actualmente vem sendo examinada também pela prestigiosa Universidade de Hopkins na Faculdade de microbiologia clínica. Os cientistas e estudantes procedem aqui testes em um dos melhores laboratórios do tipo no mundo.



De facto, num dia como hoje, em que devíamos estar em Belém, junto ao monumento erigido em nome daqueles que deram a sua vida em prol da ditadura e estupidez de Salazar e a sua comandita, só apetece ficar na cama e sonhar com os exercícios físicos que fazíamos na juventude e que tanto prazer nos davam.
Mal abro a página da meteorologia para ver com o que posso contar, hoje e nos próximos dias, antes que chegue o verão, aparece-me esta imagem e o anúncio da Moringa que dá tesão até a um morto. Será que o mundo está tão mudado assim? No meu tempo nunca faltava o tesão, o que faltava era quem se oferecesse para tratar dele, fazer baixar a cabeça ao marmanjo que andava sempre com ela no ar.
E com isto acho que já fiz a minha boa acção do dia.
Bom domingo para todos!
Se for caso disso tomem Moringa e deixem-se ficar na cama! 

E a Espanha?

Estive a ver o jogo que fizeram, hoje, frente à Tunísia e só espero que não joguem mais que isto, quando entrarem em campo para defrontar Portugal, desta vez a sério. Pareceu-me uma equipa muito hesitante e bem ao alcance dos nossos "delanteros". Estou mais confiante, depois do que vi hoje.


Já que falei nos nossos avançados, sobre quem recai a responsabilidade de marcar os golos necessários para nos garantir as vitórias que farão de nós campeões, sei que o Fernando Santos tem a cabeça em água para escolher quem joga e quem fica no banco. Eles são todos bons, mas não podem jogar todos ao mesmo tempo. Ronaldo, Gonçalo, Bernardo, André, Quaresma e ainda Bruno Fernandes e João Mário, destes todos só poderão jogar, no máximo, três. Que fazer com os outros?
O Ronaldo é o capitão, o Gonçalo marcou 2 golos no último jogo e o Bernardo é o esquerdino mais habilidoso, será isto suficiente para lhes garantir o lugar? Eu acredito que sim.
Veremos o que decide o treinador, mas sei que não vai ser fácil!

sábado, 9 de junho de 2018

Que rico sócio!

Nem toda a gente que há, no Porto, um bairro com o nome de Miragaia. E porque se chamará assim, quererão saber esses tais que desconhecem a sua existência. Pois é a coisa mais simples deste mundo, como é um bairro à beira-rio, do outro lado vê-se (mira-se) Gaia.


Pois aquilo que vos vou contar e que li nas crónicas de um senhor jornalista do Porto, passou-se, há muitos anos, ali mesmo, no bairro de Miragaia.
Este bairro passou a ser o mais concorrido do Porto, logo que começou a haver carreiras regulares para a Índia e o Brasil. Ali se construíam naus e caravelas para demandarem essas longínquas possessões portuguesa, ali moraram mestres, armadores capitães e marinheiros. As mercadorias vindas dessas colónias enriqueceram mercadores que por sua vez fizeram de Miragaia um bairro florescente e cheio de gente-bem.
Pois, como todos sabemos, a vida não corre sempre bem a toda a gente. É o caso de um morador deste bairro que se meteu em quanto negócio havia, via os seus pares encherem os bolsos e a ele tudo lhe dava para o torto. Ele magicava, de noite e de dia, no que teria de fazer com aquela má sorte. Numa certa madrugada, em que já perdera o sono, dava voltas na cama e também aos seus miolos à procura de uma ideia salvadora e, de repente, plim-plim, uma ideia que lhe pareceu vinda do céu.


Criar um nova empresa e pôr como sócio Jesus. Não o traidor que saiu do Benfica para ir fazer do seu arqui-inimigo campeão (coisa que não conseguiu e lhe envergonhou a cara), mas Jesus Cristo filho de Deus Nosso Senhor. E não é que a empresa começou a dar lucro e, em pouco tempo, fez dele um dos mais ricos mercadores de Miragaia?
Nisto, uma nova preocupação começou a ensombrar-lhe os dias. Reconhecia o sucesso que a sua empresa tivera, desde o início, e que isso só podia dever-se ao seu sócio, pois sozinho nunca conseguira sair da cepa-torta. E como repartir com ele os lucros do negócio? Jesus era um ser abstracto que não ligava nada aos bens materiais e não aceitaria nada que ele quisesse dar-lhe, nem tão pouco saberia onde lho entregar.
Então teve uma nova ideia, tomar sob sua protecção a igreja do seu bairro e dotá-la de tudo aquilo que lhe fizesse falta. Obras de beneficiação, pinturas e dourados, novas alfaias em ouro e prata, assim como novos e luxuosos paramentos para o celebrante dessa igreja. Nada faltou naquela igreja, enquanto ele foi vivo.
E assim, ambos os sócios ficaram felizes e contentes com a repartição dos lucros da sua sociedade, cujos negócios continuavam de vento em popa!

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Rússia lá vamos nós!


Em Moscovo já montaram as barracas para nos receber!
Será que vai haver "comes e bebes" ou apenas souvenirs?
Nós afinal o que vamos lá procurar é o título de campeão do mundo e isso não se compra nestas barraquinhas. Na próxima semana temos que dar uma coça nos espanhóis, ou pelo menos não nos deixarmos espancar por eles, se queremos ambicionar mais qualquer coisa.
Pelo meio emborcamos uns copitos de vodka e ...
Naztrovia!

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Junho, mês das sardinhadas!

O consumo de ómega 3 reduz as taxas de mortalidade cardíaca, por morte súbita e possivelmente de enfarte. Por outro lado, mostram também efeitos quer a nível das paredes dos vasos sanguíneos, tornando-as mais elásticas, quer a nível do batimento cardíaco, favorecendo que este seja ritmado. 
De qualquer forma, vários estudos têm mostrado que os benefícios do ómega 3 não são exclusivos da área vascular. De facto, os ácidos gordos ómegas 3 dividem-se em três tipos, o ácido alfa-linolénico, o ácido docosahexaenóico DHA e o EPA ácido eicosapentaenóico (estes dois últimos existem apenas nos óleos de origem marinha), e são um dos componentes fundamentais das membranas externas das células cerebrais. De facto, são inúmeros os estudos que demonstram a relação entre o seu consumo e a área cognitiva.


Quem sou eu para contrariar aquilo que dizem os estudos dos mais reputados cientistas a nível mundial. Se eles dizem que comer sardinhas faz bem à saúde, vamos a elas e com toda a vontade. Eles não dizem nada a respeito do tintol que deve acompanhar esse petisco, mas disso encarrego-me eu que tenho muitos anos de experiência no assunto.
O «maduro tinto» é a minha bebida de eleição, faz-me companhia a todas as refeições, pois não consigo sequer imaginar outra bebida para empurrar a comida pela goela abaixo e estimular as papilas gustativas. Já o «verde tinto» é o ideal para certas comidas, a começar nas tão faladas sardinhas assadas e acabar num sarrabulho à moda do Minho. O vinho verde tem um sabor muito mais intenso, o que combina bem com o excesso de gorduras desses petiscos.
Por isso já sabem, o Santo António, daqui a uns dias, dá entrada na época dos Santos Populares e convém ter à mão um garrafão de 5 litros de bom tintol para acompanhar as sardinhas. Disse 5 litros e não é exagero da minha parte, um homem tem que estar prevenido para oferecer um copo (e quem diz um, diz dois ou três) aos amigos se eles aparecerem.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Porque estão à espera?


Ricardo Rocha foi eleito o melhor jogador da II Liga. Por que esperam para ir buscá-lo para o Benfica?
Estranho é que dizem na notícia que ele é jogador do Nacional da Madeira, esta época promovido à I Liga, e não encontrei o nome dele em qualquer dos sites que se dedicam a este negócio. Nem sequer no Zero-Zero que dizem que sabe tudo sobre todos os clubes e jogadores!

O bendito paínço!

Ter ou não ter, eis a questão!
Paínço, também conhecido como milho-alvo ou milheto é um cereal de que a passarada gosta à brava. Em sentido figurado é sinónimo de graveto, pilim, bago e até bufunfa, coisa a que a passarada não liga nenhuma, mas que político adora.
Portugal vive problemas do arco da velha e tudo por causa do paínço que, diz o nosso Primeiro Ministro, não chega para tudo aquilo que gostaríamos de ter. Por outro lado, o painço, aquele de que a passarada gosta, é facílimo de cultivar, mas ninguém lhe dá o devido valor. Naturalmente sem glúten, deveria ser uma alternativa ao arroz e ao trigo, mas é mais visto como comida para animais, ou usado para fabricar rações.


Quando eu era miúdo, recordo-me de alguns campos, na vizinhança da casa onde nasci, terem este aspecto. Mas nessa altura, eu dava mais importância ao jogo do pião, ou do botão e outros que tais do que ao bendito paínço. Só comecei a perceber o seu real valor quando queria ir ao cinema e, no fundo do meu bolso, só encontrava cotão. E quanto ao cereal, nunca lhe liguei a ponta de um corno. Nunca criei gado e, eu próprio, comia aquilo que me punham na mesa. Agora que tenho tempo para tudo e ainda me sobra um pouco (a que não sei o que fazer) é que me preocupo com o paínço e com aquilo que vocês possam saber, ou desconhecer, a esse respeito.


Olhem-me só para esta bonita imagem. Não dá vontade de trincar? Se não se sentem tentados é porque têm pouco de passarecos. Se vos apresentasse isto em forma de farinha, tenho a certeza que já a veriam com outros olhos.


Cuscus de paínço com legumes, assim como mil outras receitas feitas com este cereal ou farinha do mesmo, fazem as delícias de muita gente. E do ponto de vista da saúde só se fica a ganhar.

Onde houver água para regar
Não se armem em parvalhões
Devem muito paínço cultivar
E amealhar uns bons tostões!

E mandem ao Costa um recado
Que não falta paínço em Portugal
Em especial se for bem regado
Nasce, cresce e engorda sem igual