terça-feira, 25 de abril de 2017

O preço da liberdade!

Espicaçado pela fome, o lobo teve ímpeto de atirar-se a ele. A prudência, entretanto, cochichou-lhe ao ouvido : - “Cuidado! Quem se mete a lutar com um cão desses pode sair a perder”.
O lobo aproximou-se do cão com toda a cautela e disse :
- Bravo! Palavra de honra que nunca vi um cão mais gordo nem mais forte. Que pernas rijas, que pelo macio ! Vê-se que o amigo se trata !
- É verdade ! – respondeu o cão. Confesso que tenho tratamento de fidalgo. Mas, amigo lobo, suponho que podes levar a mesma boa vida que eu levo.
- Como ?
- Basta que abandones esse viver errante, esses hábitos selvagens e te civilizes, como eu.
- Explica-me lá isso por miúdos, pediu o lobo com um brilho de esperança nos olhos.
- É fácil. Eu apresento-te ao meu dono e se ele simpatizar contigo dá-te o mesmo tratamento que me dá a mim, bons ossos de galinha, nacos de carne, um canil com palha macia. Além disso, agrados, mimos a toda hora, palmadas amigas e um nome.
- Aceito ! – respondeu o lobo. Quem não deixaria uma vida miserável como a minha por uma de regalos como a tua ?
- Em troca disso – continuou o cão – tu guardarás a casa, não deixando entrar ladrões nem vagabundos. Agradarás ao dono e à sua família, abanando o rabo e lambendo a mão de todos.
- Está combinado, resolveu o lobo – e dito isto emparelhou com o cão que partiu a caminho de casa. Logo, porém, notou que o cão usava uma coleira ao pescoço.
- Que diabo é isso que tens no pescoço ?
- É a coleira.
- E para que serve?
- Para me prenderem à corrente.
- Então não és livre de andares por onde queres, como eu?
- Nem sempre. Passo às vezes vários dias preso, conforme a disposição do meu dono. Mas que importa isso se a comida é boa e vem sempre à hora certa?
Ouvindo isto o lobo parou, reflectiu e disse :
- Sabes que mais ? Adeusinho ! Prefiro viver magro e cheio de fome, mas livre e dono do meu focinho, a viver gordo e luzidio como tu, mas de coleira ao pescoço. Fica-te lá com a tua gordura de escravo que eu contento-me com a minha magreza de lobo livre.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Hoje é dia de S.Manuel!

Não sabem quem é?
Emmanuel Macron, aquele que ganhou, ontem, as eleições em França!


Pois é, ele ganhou e as bolsas europeias dispararam numa euforia nunca vista. Perguntem-me o que ganhou a Europa com isso? Não sei, não vale a pena perguntar que eu não sei responder, embora desconfie. Os comentadores estão a dar de barato que a Marine Le Pen não tem chance contra ele e, por conseguinte, será ele o próximo presidente da república. E como ele é pró-europeu ... está tudo na paz dos anjos.
Quanto a ganhos, presentes ou futuros, não sei quem vai ganhar nem perder, pois as coisas não são assim tão simples, mas há uma coisa que eu sei, com esta euforia momentânea da bolsa de Paris eu já embolsei 1.000 Euros numas acções que tinha em carteira e me apressei a vender.
Se fosse assim todas as segundas-feiras não era nada mau!

domingo, 23 de abril de 2017

Já falta pouco!


O Porto armou-se em forte e não quis aproveitar a ajuda que o Sporting lhe deu este fim de semana. Deve seguir aquela política do orgulhosamente sós. Tudo bem, o Benfica agradece e volta a contabilizar 3 pontos de diferença para o segundo lugar, o que dá sempre jeito para cobrir algum deslize que nos possa acontecer numa das 4 jornadas que ainda faltam.
Se ganharmos todos os nossos jogos seremos campeões, disse o treinador do Porto. Com o empate de hoje, frentes aos fogaceiros, já duas as vitórias falhadas. Será que ainda há alguém que acredite nele? Eu duvido e, se calhar, o Pintinho já está a pensar em fazer-lhe a cama.
Nós, os benfiquistas, lá vamos cantando e rindo a caminho do tetra.
Isto até me faz recuar até aos tempos da Escola Primária em que, uma vez por semana, ensaiávamos o Hino da Mocidade Portuguesa que começava assim:

Lá vamos, cantando e rindo
Levados, levados, sim
Pela voz de som tremendo
Das tubas, clamor sem fim.

Lá vamos, que o sonho é lindo!
Torres e torres erguendo.
Rasgões, clareiras, abrindo!

Alva da Luz imortal,
Roxas névoas despedaça
Doira o céu de Portugal!

sábado, 22 de abril de 2017

Melhor árbitro sou eu!


Se fosse eu a arbitrar o jogo, tinha marcado 3 penalties a favor do Benfica, expulsado 2 jogadores do Sporting e ganhávamos de certeza absoluta. O azar é que não fui eu o escolhido para arbitrar o jogo e portanto sou obrigado a aceitar o resultado como bom. Melhor seria ter ganho e somar os 3 pontos, mas isso também era pedir demais e ambição em demasia é erro. Como diz aquele ditado popular - grão a grão enche a galinha o papo - e o pontinho conquistado neste jogo pode fazer-nos muito jeito para as contas finais.
Ainda temos pela frente muitas dores de cabeça até poder comemorar o título, mas cada vez estou mais convencido que vamos conseguir fazê-lo. Os tripeiros já estavam a contar com um empate em pontos e a vantagem nos golos marcados, mas lixaram-se. Voltamos a ficar com um ponto a mais e para isso eles ainda têm que ganhar o jogo que têm pela frente, amanhã. Agora vão ser eles a sofrer e eu a assistir no sofá.
Depois de uma semana muito dura, psicologicamente falando, tenho pela frente uma semana sossegada que vou desfrutar ao máximo para arrecadar energias para o próximo embate.
Como diz o Rui Vitória:
- É muito bom olhar para baixo!
Porque isso quer dizer que continuamos lá em cima, no 1º lugar.

Vai começar!


O manda-chuva já entrou em campo. Não tarda sopra no apito e a bola começa a rolar! Está na hora de me plantar em frente do televisor e passar ali duas horas a sofrer. Vamos a isto pessoal!

Para dar sorte!

Dizem por aí
que ver uma rata peluda
logo pela manhã
traz sorte para todo o dia.
Ora é disso mesmo
que eu estou precisado.
Estou consciente
que corro o risco de
alguns sportinguistas
olharem para ela
e serem também
bafejados pela sorte,
mas é um risco
que tenho que correr.
(A imagem é pequena, mas carrega-lhe em cima que ela cresce)



Não fiquei satisfeito com o resultado e tive que ir ampliá-la eu mesmo. Assim tenho a certeza que a "rata da sorte" será bem visível para todos os interessados.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Derby - 1 !

Dentro de 24 horas já estaremos aqui a tecer elogios a quem ganhou e a dar os sentimentos a quem levou a pior parte. A esta distância do jogo não é possível fazer previsões nem adivinhar o resultado. E, possivelmente, é aí que reside a graça disto tudo. Querias saber o resultado agora? Querias, mas não podes. Nem agora, nem amanhã até que soe o apito final do árbitro. Nessa altura vão uns saltar de alegria e os outros rasgar as vestes em desespero. E depois? Depois a vida continua com todo o mundo adaptado à nova realidade da classificação geral. Sem apelo nem agravo.
Para o Benfica qualquer dos três resultados, vitória, empate ou derrota, não significa ainda uma posição definitiva no campeonato, embora a derrota o coloque em segundo lugar por causa da vantagem que o Porto tem no "goal average". Mas faltam ainda mais 5 jogos e tanto ao Benfica como ao Porto podem acontecer alguns percalços pelo caminho. Mas não vale a pena estar aqui a fazer futurologia, logo analisaremos a situação depois do derby. Sofrer por antecipação não serve de nada.
E, em última análise, há sempre a possibilidade de o Glorioso ganhar o jogo e aí dispensam-se todas e quaisquer análises.
Carrega Benfica!!!

Que pesadelo!


Talvez por causa do Benfica ou outra coisa qualquer
Fechei os olhos, adormeci, mas acordei estremunhado
Foi, talvez, por ter sonhado com uma linda mulher
Abri os olhos e dei com este estafermo ao meu lado!

Verde, verde e mais verde!

O norte de Portugal é mais verde que o resto do país. Ninguém o pode negar, é obra da natureza e a ela devemos estar gratos por isso. Esta minha afirmação não deverá ser contestada por ninguém e por isso a faço com o maior à-vontade. Mas, além da mãe natureza, há outra coisa que "esverdeou" nos últimos dias, uma espécie de doença rara que atacou as gentes do norte e só deverá passar durante a noite de sábado para domingo.
Não sabem do que estou a falar? Olhem para o boneco aqui ao lado e já vão perceber.
Quando se vai para a guerra é preciso saber escolher os aliados e deve ser isto que o FCP está a fazer. A guerra deles está quase perdida e só os lagartos lhes podem dar uma ajudinha para ultrapassar uma crise que já dura há anos. Se também não forem campeões esta época, acredito que vão rolar cabeças no reino do dragão. E, na minha humilde opinião, já era tempo de isso acontecer para haver alguma renovação na maneira de pensar e actuar. Só espero que não aconteça o mesmo que na Síria, o pai Assad morre, o filho Assad herda a coroa e continua tudo na mesma (como a lesma).
O Bruno de Carvalho meteu-se numa guerra maior do que aquilo que o seu físico lhe permite suportar e, nesse pressuposto, todos os aliados são bem vindos. Hoje, é preciso engolir sapos, amanhã logo se verá. Como na presente época o Sporting não tem direito a qualquer título ou honraria, ganhar ao Benfica, mesmo em sua casa, onde moralmente são obrigados a ganhar, é o único prémio que ainda poderão conquistar. Mas até isso depende ainda de o Benfica entrar em campo numa noite de completa desinspiração, porque de contrário ... nem a isso terão direito.
Mas não vale a pena anteciparmos os sofrimentos ou alegrias de cada um, amanhã à noite soará o gongo para os artistas entrarem no palco e depois de noventa e tal minutos a derramar a sua arte sobre o relvado veremos quem se fica a rir e que tem que enxugar as lágrimas. Pelo sim, pelo não que cada um se previna com um pacote de lencinhos de papel de modo a estar preparado para qualquer eventualidade.


Por falar em relvado, quero terminar esta minha mensagem de hoje, chamando a atenção para um facto curioso. A marca de canto é um espaço limitado por um quarto de círculo que une a linha lateral à linha de fundo. Para a marcação de canto é suposto a bola estar lá dentro, mas assim não acontece. É raro o jogador que não a coloca (com o maior jeitinho) uns milímetros para lá da linha. E isto debaixo dos olhos observadores do fiscal de linha que está ali mesmo ao lado a ... fazer que não vê.
Puta que pariu as sardinhas, digo eu, se há coisa que me irrita é isto. E tenho que assistir a ela repetidas vezes em cada jogo que vejo na televisão. Vou começar a olhar para o lado cada vez que o árbitro apontar para a marca de canto. Para bem do meu sistema nervoso!

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Derby - 2!

O Mourinho lá se safou, muito embora tenha tido que aguentar 30 minutos extra num prolongamento de deixar os cabelos em pé. Quanto ao derby lisboeta a luta fora do relvado está cada vez mais acesa, eu nunca vi tanta confusão como este ano. Aos comentadores televisivos só falta andarem ao soco uns com os outros. Pensei que só eu é que estava ansioso, mas pelo que vejo há muito boa gente em pior estado que eu e corre o risco de morrer de enfarte antes de chegar a hora do jogo.
Que Deus me livre e guarde!

Guerra dos dois irmãos!

D.Pedro e D.Miguel, filhos do rei D.João VI não se entenderam quanto à sucessão ao trono, depois da morte de seu pai, e envolveram-se numa guerra que pôs a cidade do Porto a ferro e fogo. Com D.Pedro fechado dentro das muralhas da cidade e o seu irmão D.Miguel na margem sul do Douro, fazendo-lhe cerco, viveram as gentes do Porto tempos muito difíceis e arriscados.
D.Pedro, por ter lutado contra Portugal e declarado a independência do Brasil, no ano de 1822, perdera o direito ao trono e seria D.Miguel, por conseguinte, o legítimo herdeiro de seu pai, mas assim não entendeu o seu irmão e envolveram-se numa guerra civil que teve como centro de operações a cidade do Porto.
Portugal já estava de rastos, por causa das invasões francesas, da deslocação da Corte para o Brasil, da Guerra Peninsular e de outras questões relacionadas com a má gestão dos nossos negócios internacionais nesse período conturbado da nossa História, mas pior ficou com esta guerra travada pelos dois irmãos.


Serve esta pequena resenha histórica para justificar a publicação desta linda imagem da Cidade Invicta que foi tirada a partir de Gaia, o sítio de onde D.Miguel espiava o irmão que se escondia por trás das muralhas da Sé, cujo edifício é bem visível no centro da imagem, do outro lado do rio. Quem estiver interessado em mais pormenores, basta perguntar ao Google que ele responde

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Derby - 3!

Ontem e hoje, no que ao futebol diz respeito, correu-me tudo de feição. O Real apurou-se, o Barça foi-se e o Mónaco do Jardim, Moutinho e Bernardo vingou o Benfica mandando o Dortmund para casa com pesada derrota. Veremos o que consegue fazer, amanhã, o Mourinho, mas eu gostava e ele tem hipóteses de passar a eliminatória. Para mim, a estrelinha do sucesso brilha lá no alto.
Quanto ao Benfica, tem-se jogado mais fora das quatro linhas do que jamais me lembro de acontecer. Acusações de um lado, processos do outro, pergunto-me se os tribunais não têm mais que fazer do que brincar às escondidas com estes actores de meia tijela. E os jornalistas e comentadores trocam argumentos como se se tratasse da batalha de Aljubarrota. Tudo o que disse o Jesus, tudo o que disse o Rui Vitória e a malta do Porto a deitar lenha para a fogueira para ver se alguém se queima.
Eles, os adeptos do dragão, são os verdadeiros interessados nesta guerra, o Sporting está a fazer o triste papel do palhaço pobre, fica com a parte mais fraca disto tudo e todos se riem à sua custa. A mim tudo isso pouco me afecta, só espero que a equipa continue a preparar-se como deve ser para entrar em campo, no próximo sábado, e dar uma grande alegria cá ao rapaz!
ET PLURIBUS UNUM !!!

Olha, olha!

Estou à espera da notícia de que o Vara foi engavetado, mas não há meio de sair! Então o homem não foi condenado, recusado o recurso e reconfirmada a pena pelo tribunal da relação? Então porque não vai de cana?


Suspeito que é, mais uma vez, aquela história de que só há justiça para pobre, rico paga para a Justiça fechar os olhos e não ver nada do que se passa neste país de vendidos.
Se é permitido a um criminoso e condenado a pena de prisão concorrer a presidente de Câmara, está tudo dito, é a lei que não presta. Ou então sou eu que ando a dormir na forma e não vejo aquilo que os outros vêem.
Apareceu-me esta imagem na minha caixa de correio, ontem à noite, e não me contive sem a partilhar convosco. O Vara, o Isaltino e o resto da caterva de ladrões que são nossos concidadãos veio apenas justificar a publicação da imagem de que gostei muito.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Derby -4!

Faltam apenas 4 dias para saber (ou quase) o destino que espera o Benfica neste campeonato 2016/2017. Com uma pontinha de sorte terá o tetra quase garantido. Na falta dela fica mais difícil, mas ainda não impossível.
Passarei por aqui todos os dias para deixar uma referência a essa espera que mantêm a ansiedade dos benfiquistas no máximo. E no sábado (que vai ser o dia mais longo desta semana) ficaremos a saber se podemos ou não começar a deitar os foguetes.

Matar o tempo!

Matar o tempo é uma expressão da Língua Portuguesa muito usada, assim como um desporto muito praticado pelos membros do «Clube dos que já foram jovens». Garanto-vos que é preciso muito treino para conseguir fazê-lo com um pequeno toque de arte. Muito diferente de ir para o café jogar dominó, ou tomar assento no banco do jardim mais próximo de casa. Fazer likes no Facebook também não aconselho a ninguém, parece-me excessivamente redutor.
Ler e escrever são as duas coisas que primeiro se aprendem na vida e são essas que eu aconselho. Ler tudo o que possas e escrever tudo o que saibas. Essa é a maneira mais indicada para praticar esse tal desporto que está reservado aos membros do tal clube (referido acima). À falta de melhor, podem ler-se as notícias e de seguida dizer algo sobre elas. Reparem como eu o faço.


A imagem ilustra uma notícia de que me abstenho de falar. Prefiro concentrar-me naquilo que a imagem documenta, a cidade do Porto, capital do distrito onde actualmente resido. Da Ribeira até à Ponte da Arrábida vai uma grande distância, mas nesta fotografia parece já ali, depois de ultrapassada a primeira curva do Douro que, serenamente, se encaminha para a foz. Depois de apreciada a beleza do rio e a relevância do arco de betão, desenhado pelo Eng. Edgar Cardoso, que suporta a ponte, a nossa vista é atraída pelas paredes coloridas e pelas telhas de barro vermelho que cobrem as casas. Completamente diferente daquilo que podem ver na imagem seguinte.


Ao contrário do Porto que é uma cidade velha do «Primeiro Mundo», a cidade do Maputo é uma cidade nova do «Terceiro Mundo». O rio que se avista por trás dos prédios é feio e sujo e telhados coloridos nem vê-los. Esta cidade que, por força da Guerra Colonial, conheci muito bem, tem também a sua beleza e há muitas fotografias a atestá-lo. Mas foi esta que a redacção do jornal escolheu para acompanhar a notícia e eu não sou obrigado a gostar dela. E quem é que se importa com isso?
As duas fotografias, assim como as duas notícias que elas ilustravam, foram o meu pequeno almoço de hoje, no que se refere à leitura. Esta mensagem que, agora, dou por concluída, é o meu segundo exercício do dia, aquele que se refere à escrita. E assim acabo de matar a primeira hora deste dia que tem ainda mais 12 ou 13 antes de fechar a pestana  para, depois, acordar no amanhã.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Um deserto!

A blogosfera está um autêntico deserto, não se vê por aqui ninguém! Ou se anda alguém por aqui não dá um pio, não se ouve nada!


Eu, como não estou muito inspirado nem motivado para grandes prosas, deixo-vos aqui uma imagem do tolo mais tolo deste mundo a olhar para um monte de espigas e a magicar o que pode fazer com elas. Se fossem mísseis nucleares mandava-os aos americanos, tenho a certeza, assim parece-me algo indeciso. Saberá, ao menos, que se trata de espigas de milho? Que depois de moído dá farinha e que com ela se faz o pão?
Isso faz-me lembrar que aqui na minha casa nunca há farinha de milho, a minha mulher deve ter alguma coisa contra o milho, pois nunca a usa. Para mangar com ela, de vez em quando compro uma embalagem de kilo e fica esquecida no fundo do armário até ganhar o direito a uma viagem para ... o lixo. Para mim que nasci numa terra em que não havia um metro quadrado de terra onde não fosse semeado milho, isso é muito estranho.
Desde as sementeiras até às desfolhadas, o milho enchia a vida daquela gente, durante os seis meses mais quentes do ano. O milho dava-lhes trabalho, matava-lhes a fome, garantia-lhes a sobrevivência, era tudo para eles.

domingo, 16 de abril de 2017

Santiago Maior!


Já aqui confessei várias vezes que S.Tiago é o meu santo predilecto. Isto porque vários acontecimentos da minha vida estão ligados a ele ou à data em que é festejado. Nasci numa freguesia onde se festejava S. Tiago, no dia 25 de Julho e até ter saído de lá S.Tiago era sinónimo de festa e nunca tinha visto outra festa a não ser aquela. Enquanto somos pequenos e num mundo pequeno como aquele não poderia ser de outra forma.
Agora sou gente grande e vivo numa cidade com milhares de habitantes. Queria comprar uma pequena estátua do meu santo de eleição e "plantá-la" num pequeno jardim que há nas traseiras da minha casa, mas aquilo é um espaço público e para o fazer tenho que obter autorização da Câmara Municipal. Mas gosto tanto dessa gente e das regras estabelecidas por eles que só de pensar em lá ir dá-me urticária.
Há vários S.Tiagos, o Maior, o Menor, aos Mouros e sei lá que mais, mas na origem suponho que são todos a mesma coisa, ou seja,  o apóstolo. A única coisa que muda é a sua representação. E apóstolo como ele era, há 2.000 anos, por esta hora, estava no cemitério a reclamar que tinham roubado o corpo do seu mestre. Ele tinha ressuscitado, mas o que Tiago, o seu irmão João e todos os outros pensaram é que alguém o tinha roubado. O único que não pensava coisa nenhuma era o Judas que estava pendurado numa figueira com a língua de fora.
Por isso, vem um tanto ou quanto a propósito falar nele, hoje, que se celebra o «Dia da Ressureição». E também por outra razão que passo a explicar. Se não estou equivocado, o Eduardo Nunes que, há bastantes anos me acompanha nestas lides blogueiras, nasceu no Vale de Santiago e cresceu, como eu cresci, a ouvir falar neste santo. Não sei se para ele tem o mesmo significado que tem para mim, mas tenho a certeza que ele aparecerá por aqui para me tirar as dúvidas.
Em meados do Século XIX, altura em que viveram os bisavós do Eduardo, havia no Vale de Santiago cerca de 700 pessoas. Fui espreitar aos documentos arquivados na Torre do Tombo para ver se entre eles havia muitos ou poucos usando o apelido Nunes, mas bati com o nariz na porta. Os registos paroquiais estão ainda em fase de tratamento e sabe Deus quando estarão disponíveis para curiosos como eu.
Entretanto vamos pensando noutras coisas para ocupar o tempo!

Número mágico - 3!

Foi o número de golos que, ontem, o Benfica marcou ao Marítimo.
É, hoje, o número de pontos que levamos de avanço sobre o segundo classificado, pouco me interessa quem ele seja.
Se ganharmos todos os jogos seremos campeões, dizia o treinador do Porto. Era uma afirmação arriscada, pois o único que podia dizer isso com segurança era o Benfica. Agora tem que mudar o discurso para qualquer coisa como - se o Benfica não ganhar todos os jogos ainda poderemos ser campeões - que parece mais realista. Já não tenho paciência para aquele tipo de conversas. Começou com os bonecos, muito mal desenhados, para explicar o que é um jogador à Porto e acabou nessa conversa de chacha, para enganar os trauliteiros do Porto, de que vão ser campeões.
Ele acredita que vai ser o Sporting a castigar o Benfica e entregar-lhe o campeonato numa bandeja. Até pode acontecer, mas não é grande carta de apresentação para ele como treinador. Eu também depositei todas as minhas esperanças no Braga para ganhar o jogo de hoje contra o Porto e dar-nos uma ajudinha na caminhada para o tetra. Mas eu posso fazê-lo, pois Braga é o meu distrito e tenho todo o direito de apoiar a equipa que o representa. Só faço uma excepção, quando o jogo é contra o Glorioso. A ajudinha teria sido uma grande ajuda se aquele nabo do Pedro Santos não tem falhado aquele penalty que poria o resultado em 2 a 0.
Mas não posso estar aqui a deitar muitos foguetes, não vão eles rebentar-me nas mãos. Ainda faltam cinco jogos e temos que os ganhar todos. Só depois disso teremos direito a festejar. A coisa pior que há é aquela do ... nadar, nadar e morrer na praia, coisa que nem quero pensar que pode acontecer!

sábado, 15 de abril de 2017

Há mais vida para além do futebol!

Então não há? Olhem só para esta bisarma e digam-me se não é um exemplo "vivo" daquilo que vos estou a dizer.


Nascida, ou plantada, há mais de cem anos, em terrenos da freguesia de Contige, foi preservada aquando da construção da estrada que liga Viseu a Satão. Não posso garantir que tenha sido a monumentalidade da árvore o que a salvou de ser abatida. Talvez a enormidade do trabalho que representava deitá-la abaixo e arrancar cepo e raízes tenham decidido que seria melhor contorná-la. Assim foi feito e a atestá-lo está a curva a 90º desenhada no limite nordeste da freguesia de Contige.


No verão que se aproxima a toda a velocidade, quem não tiver nada mais interessante para fazer pode ir dar uma volta pelo distrito de Viseu, viajar pela EN 229 em direcção a norte, tomando cuidado para não se despistar na referida curva e malhar com o esqueleto contra o gigantesco eucalipto. E depois de ultrapassado esse obstáculo, travar conhecimento com as coisas boas daquela região, nomeadamente os enchidos, os vinhos e os queijos.
E, como a conversa começou com o futebol, informo que o Benfica e o Sporting já cumpriram o seu dever, presenteando os seus adversários com 3 golos cada e aguardam por logo à noite para ver de que é capaz o FCP. É lógico que no seu íntimo rezam para que ele se espalhe ao comprido, em Braga.

Chapa 3!

Hoje tivemos um Benfica mais à minha moda. Rápido na transição de bola e menos propenso a circular a bola entre os centrais como tem vindo a fazer repetidas vezes e que me deixa com os nervos em franja. Houve, no entanto, outras coisas que não funcionaram tão bem como eu desejaria. O Mitroglou esteve um desastre completo, não deu uma para a caixa e o esforçado Salvio esteve mais que azarado tanto nos remates como nos passes. Valeu-nos o Jonas que voltou aos bons hábitos de enfiar a bola na baliza à menor distracção do adversário. E o Grimaldo, ainda no seu segundo jogo depois de uma paragem muito prolongada, mostrou a sua categoria a defender e a atacar. Era disso mesmo que o Benfica sentia falta.
E agora temos uma semana para nos prepararmos para enfrentar o Sporting que vai ser o jogo do tudo ou nada. Há quem fique à espera que o Porto se espalhe ao comprido e nos entregue o campeonato numa bandeja, mas eu prefiro que seja o Benfica a ganhar e mostrar assim que tem fibra de campeão. O Rui Vitória tem, praticamente, todo o plantel às suas ordens, o Pizzi continua sem ver o 5º amarelo e o Samaris não foi castigado, por isso acredito que será capaz de montar uma equipa capaz de derrotar as lagartixas do Jorge Jesus.
O defesa esquerdo do Sporting viu o cartão amarelo no jogo de hoje e vai ficar de fora no próximo sábado. Não sei quem o irá substituir, mas espero que seja uma menos tranqueiro que ele, pois já nos basta o Coates e o William para rebentar as canelas dos nossos jogadores. Outros que me preocupam também, por causa do seu modo agressivo de jogar, é o Chuta-Chuta, o Alan Ruiz e o Adrien e rezo para que ninguém se aleije, pois nesta fase crucial da época não precisamos de mais lesionados do que aqueles que temos.
Prevenir os jogadores para evitarem o choque com esses jogadores mais violentos e motivá-los para darem o litro durante os 90 minutos do jogo, assim como nos descontos, será a tarefa primordial do Rui Vitória nos próximos dias. E rezar para que o grego das barbichas esteja mais inspirado do que esteve hoje.
Para terminar, o nosso guarda-redes esteve quase a borrar a pintura. Felizmente conseguiu dar a volta à situação, mas, naquela hora, deixou-me com o coração nas mãos!